(41) 3626-2625

Nós da Desentupidora Curitiba de olho na qualidade de nossa água, rios e mananciais de nossa cidade, segue o relatório completo da situação de nossa água e nossos rios.

A poluição dos cursos d’água é um dos principais problemas ambientais de Curitiba e Região Metropolitana. O IAP (Instituto Ambiental do Paraná) monitora há quase vinte anos a qualidade da água da região e é a fonte dos dados apresentados nesta seção.

Muitos dos parques de Curitiba encontram-se nas margens de lagos formados ao longo dos rios da região, de forma a controlar o fluxo das águas, proteger as margens e, com isso, evitar enchentes. O IAP classificou os lagos conforme os níveis de poluição em não impactados a muito pouco degradados; pouco degradados; moderadamente degradados; criticamente degradados a poluídos; muito poluídos; e extremamente poluídos. Segundo o IAP, esta é a qualidade da água dos lagos dos parques de Curitiba (os dados são médios de 1999 a 2008):

Lago do Jardim Botânicocriticamente degradado a poluído
Lago do Parque Bariguicriticamente degradado a poluído
Lago do Parque da Barreirinhacriticamente degradado a poluído
Lago do Parque Gen. Iberê de Mattos (Parque do Bacacheri)criticamente degradado a poluído
Lago do Parque Lago Azulmuito poluído
Lago do Parque São Lourençomuito poluído
Lago do Parque Tanguámoderadamente degradado
Lago do Parque Tinguicriticamente degradado a poluído
Lago do Passeio Públicomuito poluído
Lago da Raia Olímpica (Parque Náutico do Iguaçu)criticamente degradado a poluído

O IAP também monitora a qualidade da água dos reservatórios de todo o Paraná. A classificação do IAP quanto à poluição seguiu os mesmos métodos e critérios dos lagos dos parques. Os dados médios de 1999 a 2008 dos reservatórios da Região Metropolitana de Curitiba são os seguintes (no caso do reservatório Iraí, os dados são de 2005 a 2008):

Reservatórios de abastecimento coletivoIraícriticamente degradado a poluído
Passaúnamoderadamente degradado
Piraquaramoderadamente degradado
Reservatório para uso industrialRio Verdemoderadamente degradado
Reservatórios para geração de energia elétricaCapivarimoderadamente degradado
Guaricanamoderadamente degradado
Vossorocamoderadamente degradado

Fonte: Qualidade das Águas – Reservatórios do Estado do Paraná, 2005 a 2008, Instituto Ambiental do Paraná.

Com relação aos rios, o IAP possui 72 estações de moitoramento da água de 38 rios da Região Metropolitana de Curitiba. Eles são divididos em diversos sistemas e sub-bacias. Os rios monitorados pelo IAP na RMC encontram-se no quadro abaixo. As cores dos nomes dos rios indicam o nível médio de poluição indicado pelo IAP, seguindo a mesma classificação de cores do Instituto, conforme normas do Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente: água muito boa, boa, pouco poluída, medianamente poluída, poluída,muito poluída e extremamente poluída (os dados são de 2009).

Sistema do Altíssimo IguaçuSub-bacia do Rio Iraí
(Pinhais, Piraquara e Quatro Barras)
Rio Canguiri
Rio Curralinho
Rio Iraizinho
Rio do Meio
Rio Iraí
Rio Timbu
Sub-bacia do Rio Itaqui
(Piraquara e São José dos Pinhais)
Rio Itaqui
Sub-bacia do Rio Palmital
(Colombo, Curitiba e Pinhais)
Rio Cachoeira
Rio do Meio II
Rio Palmital
Rio Tumiri
Sub-bacia do Rio Pequeno
(São José dos Pinhais)
Rio Pequeno
Sub-bacia do Rio Piraquara
(Piraquara)
Rio Piraquara
Sistema da Margem Direita do Rio IguaçuSub-bacia do Ribeirão dos Padilhas
(Curitiba)
Ribeirão dos Padilhas
Sub-bacia do Rio Atuba/Bacacheri
(Curitiba e Pinhais)
Rio Atuba
Rio Bacacheri
Sub-bacia do Rio Barigui
(Almirante Tamandaré, Araucária eCuritiba)
Rio Barigui *
Rio Uvu
Sub-bacia do Rio Belém/Rio Ivo
(Curitiba)
Rio Água Verde
Rio Belém **
Rio Fanny
Rio Ivo
Rio Parolin
Sub-bacia do Rio Passaúna
(Almirante Tamandaré, Araucária,Campo Largo, Campo Magro e Curitiba)
Rio Cachoeira
Rio Cachoeirinha
Rio Ferraria
Rio Passaúna ***
Sub-bacia do Rio Verde
(Almirante Tamandaré, Araucária,Campo Largo e Campo Magro)
Rio Cambuí
Rio Verde
Sistema da Margem Esquerda do Rio IguaçuSub-bacia do Rio Cotia/Despique
(Fazenda Rio Grande, Mandirituba e São José dos Pinhais)
Rio Cotia
Rio Despique
Sub-bacia do Rio Faxinal
(Araucária)
Rio Faxinal
Sub-bacia do Rio Maurício
(Araucária, Fazenda Rio Grande eMandirituba)
Rio dos Patos
Rio Maurício
Sub-bacia do Rio Miringuava
(São José dos Pinhais)
Rio Miringuava
Rio Miringuava-Mirim
Sistema do Alto IguaçuSub-bacia do Rio Iguaçu
(Araucária, Balsa Nova, Curitiba e São José dos Pinhais)
Rio Iguaçu

* Muito poluído na foz, no Rio Iguaçu.
** Poluído ao norte do Parque São Lourenço.
*** Medianamente poluído ao norte da BR-277.

Fonte: Qualidade das Águas – Rios da Bacia do Alto Iguaçu, na Região Metropolitana de Curitiba, 2005 a 2009, Instituto Ambiental do Paraná.

Quais as causas da poluição dos rios e como fazer para reverter a situação? Na mesma publicação acima, os técnicos do IAP concluem com a resposta a essas questões, que transcrevemos abaixo:

A poluição encontrada nos rios da Região Metropolitana de Curitiba é predominantemente de origem orgânica, causada por esgotos domésticos não tratados ou tratados com baixa eficiência. A poluição industrial ocorre, mas em menor nível – grandes empresas têm métodos modernos e eficientes de tratamento, porém as pequenas empresas (de fundo de quintal), geralmente não-licenciadas (clandestinas), é que geram a maior poluição. É comum a detecção de metais pesados, que podem ser provenientes de galvânicas, e outras tipologias, como óleos (comumente de postos de combustíveis), surfactantes ou sabões provenientes de lavanderias, lava-car, fábricas de detergente de fundo de quintal, entre outros.

Para auxiliar na solução do problema da poluição hídrica, além do monitoramento que detecta o problema da poluição da água, é necessário efetividade nas ações de fiscalização e licenciamento, pois estes formam um dos tripés da gestão ambiental. A legislação é importante, mas é necessário fazer com que ela seja cumprida pelas empresas. Para isso, é importante que o licenciamento e a fiscalização sejam efetivos, eficientes e modernos. Quando uma empresa é licenciada, recebe um padrão para emissão de seus efluentes líquidos ou gasosos, o qual deve ser cumprido. Estas empresas devem ser fiscalizadas e monitoradas, para que se tenha certeza de que o sistema de tratamento de efluentes é eficiente na remoção e estabilização dos poluentes potenciais, de acordo com os parâmetros da licença ambiental. Por outro lado, a educação ambiental e a participação popular são fundamentais no sentido de fiscalizar os poluidores, fazendo com que as taxas cobradas para o saneamento dos efluentes domésticos sejam efetivamente utilizadas em processos de tratamento eficientes.

No caso específico do Rio Barigui e seus afluentes, vêm sendo realizadas ações que incluem a remoção de moradores das margens, aumento da rede de coleta de esgotos e a transformação das margens em área de preservação, com a prevista inauguração de umparque linear ao longo do rio. Ações de desassoreamento também são realizadas nos rios de Curitiba. O próprio Ouvidor Raphael Pires Pardinho já recomendava em seusProvimentos, em 1721, a limpeza anual do Rio Ivo, para evitar seu assoreamento.

A série histórica mostrando a evolução da qualidade das águas da Região Metropolitana de Curitiba pode ser encontrada nas publicações sobre a qualidade das águas nos rios ereservatórios da região, no site do Instituto Ambiental do Paraná.

Fonte: http://www.parquesepracasdecuritiba.com.br/

Recomendamos Também:

Desentupidora Curitiba 24 Horas

Desentupidora Curitiba

Desentupidora em Curitiba

Desentupidora em Curitiba 24H

Desentupidora Curitiba 24H